AVC ou Derrame Cerebral: sintomas, causas e sequelas | Hospital Proncor

O AVC é o entupimento ou rompimento dos vasos que levam sangue ao cérebro, provocando a paralisia da região afetada no cérebro. Também é chamado de acidente vascular cerebral, derrame cerebral ou Acidente Vascular Encefálico (AVE).




LEIA MAIS: Procolo Stroke (AVC) do Hospital Proncor


Tipos

Dependendo da causa do AVC ele pode ser hemorrágico ou isquêmico. Entenda melhor cada tipo:


AVC hemorrágico

O AVC hemorrágico é o derrame com rompimento de um vaso cerebral, ocorrendo um sangramento (hemorragia) em algum ponto do sistema nervoso.


A hemorragia pode acontecer no interior do tecido cerebral (AVC hemorrágico intraparenquimatoso), que é o mais comum e responsável por 15% de todos os casos de AVC. Contudo, o sangramento também pode ocorrer perto da superfície cerebral, entre o cérebro e a meninge, conhecido como AVC hemorrágico subaracnóideo.


Apesar do AVC hemorrágico não ser tão comum quanto o isquêmico, pode causar a morte mais frequentemente do que acidentes vasculares cerebrais isquêmicos.


AVC isquêmico

O AVC isquêmico é o derrame com obstrução da artéria, impedindo a passagem de oxigênio para as células cerebrais, que morrem - essa condição é chamada de isquemia cardíaca.


A obstrução da artéria pode acontecer por um trombo, que é um coágulo de sangue que se forma na parede do vaso sanguíneo; ou por um êmbolo, que nada mais é do que um trombo que se desloca pela corrente sanguínea até ficar preso em um vaso sanguíneo menor que sua extensão.


Causas

Causas de AVC hemorrágico

Quando falamos em um AVC hemorrágico, a hemorragia pode ser causada por fatores como:


Hipertensão arterial

  • Inflamação nos vasos sanguíneos, que podem se desenvolver a partir de doenças como sífilis, doença de Lyme, vasculite e tuberculose

  • Distúrbios de coagulação do sangue, como a hemofilia

  • Ferimentos na cabeça ou no pescoço que resultam em danos aos vasos sanguíneos na cabeça ou no pescoço

  • Tratamento com radiação para câncer no pescoço ou cérebro

  • Angiopatia amiloide cerebral (uma doença degenerativa dos vasos sanguíneos)

  • Aterosclerose

  • Arritmias cardíacas

  • Doenças das válvulas cardíacas, como prolapso da válvula mitral ou estenose de uma válvula cardíaca

  • Endocardite

  • Forame oval patente, que é um defeito cardíaco congênito

  • Distúrbios de coagulação do sangue

  • Vasculite (inflamação dos vasos sanguíneos)

  • Insuficiência cardíaca

  • Infarto agudo do miocárdio


Causas de AVC isquêmico

Uma isquemia causadora de um AVC pode ocorrer por fatores como:


  • Aterosclerose: condição vascular onde ocorre o acúmulo de lipídeos (como o colesterol e triglicérides), plaquetas e outras substâncias no seu interior dos vasos, levando a um espessamento gradual de suas paredes e gerando sua obstrução.

  • Formação de trombos: pequenos grumos sanguíneos coagulados, de diversos tamanhos, que quando em circulação, encontram um vaso menor que seu diâmetro causando sua obstrução.

  • Inflamações: respostas locais que o nosso corpo produz para combater alguma situação indesejável. No AVC, as inflamações mais comuns são as causadas por anti-corpos (doenças autoimunes) e as infecções que acometem o interior das artérias.

Fatores de risco

Os fatores de risco mais conhecidos para um AVC, seja qual for o tipo, são:


  • Hipertensão

  • Diabetes tipo 2

  • Colesterol alto

  • Sobrepeso e obesidade

  • Tabagismo

  • Uso excessivo de álcool

  • Idade avançada

  • Sedentarismo

  • Histórico familiar (parente próximo, como pai, mãe ou irmão, teve um AVC)

  • Ser do sexo masculino


Além disso, doenças cardiovasculares que influenciam no fluxo sanguíneo podem aumentar o risco de AVCs isquêmicos, como:


  • Arritmias cardíacas, como fibrilação atrial

  • Doenças das válvulas cardíacas, como prolapso da válvula mitral ou estenose de válvula cardíaca

  • Endocardite, que é a infecção das valvas do coração

  • Forame oval patente, que é um defeito cardíaco congênito

  • Insuficiência cardíaca

  • Infarto agudo do miocárdio



Sintomas de AVC

Os principais sintomas de AVC são:


  • Diminuição ou perda súbita da força na face, braço ou perna de um lado do corpo

  • Alteração súbita da sensibilidade com sensação de formigamento na face, braço ou perna de um lado do corpo

  • Perda súbita de visão num olho ou nos dois olhos

  • Alteração aguda da fala, incluindo dificuldade para articular, expressar ou para compreender a linguagem

  • Dor de cabeça súbita e intensa sem causa aparente

  • Instabilidade, vertigem súbita intensa e desequilíbrio associado a náuseas ou vômitos


Como diferenciar um AVC hemorrágico e isquêmico?

Em alguns casos, o AVC hemorrágico pode ter os sintomas agravados rapidamente (como o rebaixamento de consciência progressivo e a deterioração súbita dos reflexos neurológicos).


Além disso, se a pessoa apresenta sintomas mais impactantes e graves logo de início, como o desmaio, convulsão e etc., é mais provável também que seja um AVC hemorrágico.


Mas não há uma maneira clínica definitiva para constatação desta separação. A melhor alternativa é a realização rápida de exame de imagem.


Buscando ajuda médica

Na presença de qualquer um dos sintomas de derrame citados, é importante ir a um pronto-socorro imediatamente. Isso porque quanto mais rápido se dá o tratamento, menores são as sequelas decorrentes do AVC.


Também é importante dar preferência a hospitais que são conhecidamente preparados para receber um paciente em situações agudas do AVC.


O Hospital Proncor conta com o Protocolo Stroke (AVC) no Pronto Socorro. Clique aqui e saiba mais.


Na consulta médica

Especialistas que podem diagnosticar AVC são:


  • Clínico geral

  • Médico intensivista

  • Neurologista

Como o AVC é um diagnóstico de emergência, a consulta normalmente ocorre sem um preparo por parte do paciente e seus acompanhantes.


Diagnóstico de AVC


Primeiros socorros

Se você desconfia que uma pessoa está tendo um AVC, A escala pré-hospitalar de AVC deverá ser aplicada para reconhecer os sinais mais frequentes, caso o paciente não esteja com um quadro claro. Dos três itens avaliados, um sinal positivo (com início súbito) é suficiente para suspeitar de um AVC hemorrágico:


Face: o socorrista pedirá para o paciente dar um sorriso, para verificar se há desvio da boca.

Força: ele pedirá ao paciente para levantar os dois braços e verá se um deles cai por falta de força.

Fala: será solicitado ao paciente dizer uma frase qualquer, como “o céu é azul”, para verificar se não há qualquer alteração.


Diagnóstico e tratamento de emergência

Assim que o paciente chega ao hospital, entre os cuidados clínicos de emergência estão:


  • Verificar os sinais vitais, como pressão arterial e temperatura axilar.

  • Posicionar a cabeceira da cama a 0°, exceto se houver vômitos (nesse caso manter a 30 graus).

  • Colocar acesso venoso periférico em membro superior não-paralisado.

  • Administrar oxigênio por cateter nasal ou máscara, caso o paciente precise.

  • Checar a glicemia capilar.

  • Determinar o horário de início dos sintomas por meio de questionário ao paciente ou acompanhante.

Tratamento de AVC

Tratamento emergencial no hospital

Quando o paciente com AVC chega ao hospital e é determinado o tipo de AVC que ele tem, são executados os tratamentos de emergência.


Se o tempo de aparecimento dos sintomas for inferior a quatro horas, sem presença de hemorragia intracraniana, pode-se tentar a desobstrução das artérias através de uma medicação endovenosa, o rt-PA.


Este procedimento é conhecido como trombólise endovenosa e poderá ser realizado caso o paciente esteja incluído nos critérios de eleição para o procedimento e não apresente nenhuma contra-indicação.


Estes critérios de inclusão e exclusão são determinados por protocolos institucionais que devem obedecer as mais modernas recomendações internacionais da área.


Se no exame de imagem for observada a presença um trombo nas artérias cerebrais, a preferência é a retirada mecânica ou dissolução local do mesmo. Este procedimento é realizado pela equipe de Neurorradiologia, que deve ser acionada imediatamente.


Através de avançados procedimentos endovasculares (como o cateterismo), é possível retirar o trombo ou infundir no próprio local medicações que desfaçam a obstrução (incluindo o rt-PA). Isto possibilita a desobstrução imediata da artéria obstruída. Este procedimento é indicado para pacientes com até 8 horas evento.


Se a história é superior a 4 horas, sem evidências da presença de trombo nas artérias intra-cerebrais detectada pelas imagens, resta apenas o tratamento clínico e o suporte para diminuição de danos e prevenção de novos eventos.


Depois da emergência o paciente é conduzido para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde será observado e monitorizado de perto, além de dar continuidade aos exames de investigação diagnóstica e prevenção de novos eventos.


Todos os controles do pacientes devem ser estabilizados (pressão arterial, glicemia, equilíbrio metabólico e hidro-eletrolítico).


Tratamento clínico após a recuperação do paciente

O tratamento e a reabilitação da pessoa vitimada por um AVC dependerá sempre das particularidades que envolvam cada caso. Há recursos terapêuticos que podem auxiliar na restauração das funções afetadas.


Para que o paciente possa ter uma melhor recuperação e qualidade de vida, é fundamental que ele seja analisado e tratado por uma equipe multidisciplinar de profissionais da saúde, fisioterapeutas, médicos, psicólogos e demais profissionais.


Seja qual for o tipo do acidente, as consequências são bastante danosas. Além de estar entre as principais causas de morte mundiais, o AVC é uma das patologias que mais incapacitam para a realização das atividades cotidianas.