Quais os principais sintomas, causas e sequelas do AVC (derrame cerebral)? | Hospital Proncor

O que é AVC?

O AVC (CID 10 - I64) é o entupimento ou rompimento dos vasos que levam sangue ao cérebro, provocando a paralisia da região afetada no cérebro. Também é chamado de acidente vascular cerebral, derrame cerebral ou Acidente Vascular Encefálico (AVE).


Tipos

Dependendo da causa do AVC ele pode ser hemorrágico ou isquêmico. Entenda melhor cada tipo:


AVC hemorrágico

O AVC hemorrágico é o derrame com rompimento de um vaso cerebral, ocorrendo um sangramento (hemorragia) em algum ponto do sistema nervoso.


A hemorragia pode acontecer no interior do tecido cerebral (AVC hemorrágico intraparenquimatoso), que é o mais comum e responsável por 15% de todos os casos de AVC. Contudo, o sangramento também pode ocorrer perto da superfície cerebral, entre o cérebro e a meninge, conhecido como AVC hemorrágico subaracnóideo.


Apesar do AVC hemorrágico não ser tão comum quanto o isquêmico, pode causar a morte mais frequentemente do que acidentes vasculares cerebrais isquêmicos.


AVC isquêmico

O AVC isquêmico é o derrame com obstrução da artéria, impedindo a passagem de oxigênio para as células cerebrais, que morrem - essa condição é chamada de isquemia cardíaca.


A obstrução da artéria pode acontecer por um trombo, que é um coágulo de sangue que se forma na parede do vaso sanguíneo; ou por um êmbolo, que nada mais é do que um trombo que se desloca pela corrente sanguínea até ficar preso em um vaso sanguíneo menor que sua extensão.



Causas

Causas de AVC hemorrágico


Quando falamos em um AVC hemorrágico, a hemorragia pode ser causada por fatores como:


  • Hipertensão arterial

  • Inflamação nos vasos sanguíneos, que podem se desenvolver a partir de doenças como sífilis, doença de Lyme, vasculite e tuberculose

  • Distúrbios de coagulação do sangue, como a hemofilia

  • Ferimentos na cabeça ou no pescoço que resultam em danos aos vasos sanguíneos na cabeça ou no pescoço

  • Tratamento com radiação para câncer no pescoço ou cérebro

  • Angiopatia amiloide cerebral (uma doença degenerativa dos vasos sanguíneos)

  • Aterosclerose

  • Arritmias cardíacas

  • Doenças das válvulas cardíacas, como prolapso da válvula mitral ou estenose de uma válvula cardíaca

  • Endocardite

  • Forame oval patente, que é um defeito cardíaco congênito

  • Distúrbios de coagulação do sangue

  • Vasculite (inflamação dos vasos sanguíneos)

  • Insuficiência cardíaca

  • Infarto agudo do miocárdio


Causas de AVC isquêmico

Uma isquemia causadora de um AVC pode ocorrer por fatores como:


Aterosclerose: condição vascular onde ocorre o acúmulo de lipídeos (como o colesterol e triglicérides), plaquetas e outras substâncias no seu interior dos vasos, levando a um espessamento gradual de suas paredes e gerando sua obstrução.

Formação de trombos: pequenos grumos sanguíneos coagulados, de diversos tamanhos, que quando em circulação, encontram um vaso menor que seu diâmetro causando sua obstrução.

Inflamações: respostas locais que o nosso corpo produz para combater alguma situação indesejável. No AVC, as inflamações mais comuns são as causadas por anti-corpos (doenças autoimunes) e as infecções que acometem o interior das artérias.


Fatores de risco

Os fatores de risco mais conhecidos para um AVC, seja qual for o tipo, são:


  • Hipertensão

  • Diabetes tipo 2

  • Colesterol alto

  • Sobrepeso e obesidade

  • Tabagismo

  • Uso excessivo de álcool

  • Idade avançada

  • Sedentarismo

  • Histórico familiar (parente próximo, como pai, mãe ou irmão, teve um AVC)

  • Ser do sexo masculino

Além disso, doenças cardiovasculares que influenciam no fluxo sanguíneo podem aumentar o risco de AVCs isquêmicos, como:


Arritmias cardíacas, como fibrilação atrial

  • Doenças das válvulas cardíacas, como prolapso da válvula mitral ou estenose de válvula cardíaca

  • Endocardite, que é a infecção das valvas do coração

  • Forame oval patente, que é um defeito cardíaco congênito

  • Insuficiência cardíaca

  • Infarto agudo do miocárdio


Sintomas de AVC

Os principais sintomas de AVC são:


  • Diminuição ou perda súbita da força na face, braço ou perna de um lado do corpo

  • Alteração súbita da sensibilidade com sensação de formigamento na face, braço ou perna de um lado do corpo

  • Perda súbita de visão num olho ou nos dois olhos

  • Alteração aguda da fala, incluindo dificuldade para articular, expressar ou para compreender a linguagem

  • Dor de cabeça súbita e intensa sem causa aparente

  • Instabilidade, vertigem súbita intensa e desequilíbrio associado a náuseas ou vômitos

  • Saiba mais: Veja os primeiros socorros quando se tem um AVC


Como diferenciar um AVC hemorrágico e isquêmico?

Em alguns casos, o AVC hemorrágico pode ter os sintomas agravados rapidamente (como o rebaixamento de consciência progressivo e a deterioração súbita dos reflexos neurológicos).


Além disso, se a pessoa apresenta sintomas mais impactantes e graves logo de início, como o desmaio, convulsão e etc., é mais provável também que seja um AVC hemorrágico.


Mas não há uma maneira clínica definitiva para constatação desta separação. A melhor alternativa é a realização rápida de exame de imagem.


Buscando ajuda médica

Na presença de qualquer um dos sintomas de derrame citados, é importante ir a um pronto-socorro imediatamente. Isso porque quanto mais rápido se dá o tratamento, menores são as sequelas decorrentes do AVC.


Também é importante dar preferência a hospitais que são conhecidamente preparados para receber um paciente em situações agudas do AVC.


Diagnóstico de AVC

Primeiros socorros

Se você desconfia que uma pessoa está tendo um AVC, A escala pré-hospitalar de AVC deverá ser aplicada para reconhecer os sinais mais frequentes, caso o paciente não esteja com um quadro claro. Dos três itens avaliados, um sinal positivo (com início súbito) é suficiente para suspeitar de um AVC hemorrágico:


Face: o socorrista pedirá para o paciente dar um sorriso, para verificar se há desvio da boca.

Força: ele pedirá ao paciente para levantar os dois braços e verá se um deles cai por falta de força.

Fala: será solicitado ao paciente dizer uma frase qualquer, como “o céu é azul”, para verificar se não há qualquer alteração.


Diagnóstico e tratamento de emergência

Assim que o paciente chega ao hospital, entre os cuidados clínicos de emergência estão:


  • Verificar os sinais vitais, como pressão arterial e temperatura axilar.

  • Posicionar a cabeceira da cama a 0°, exceto se houver vômitos (nesse caso manter a 30 graus).

  • Colocar acesso venoso periférico em membro superior não-paralisado.

  • Administrar oxigênio por cateter nasal ou máscara, caso o paciente precise.

  • Checar a glicemia capilar

  • Determinar o horário de início dos sintomas por meio de questionário ao paciente ou acompanhante.


AVC tem cura?

Quando a pessoa é atendida rapidamente após um AVC, suas chances de sobreviver e ter menos sequelas são menores.


Caso o paciente tenha sobrevivido e tenha ficado com sequelas, o tempo de recuperação varia caso a caso e depende de vários fatores.


Alguns dos fatores são: a extensão do AVC, a idade do paciente, condições gerais de saúde, realização de fisioterapia e fonoaudiologia, cuidados de enfermagem a apoio psicológico e familiar após ao acidente vascular cerebral.


Tempo de recuperação de um AVC

Em geral, o tempo médio de recuperação gira em torno de seis meses a um ano.


Complicações possíveis

Veja a seguir os tipos de reabilitação para as principais sequelas de um AVC:


Déficit motor

Ocorre quando a área afetada pelo AVC é aquela responsável pelos movimentos do nosso corpo, sendo o lado esquerdo do cérebro responsável pelos movimentos do lado direito e vice-versa.


É importante a realização de fisioterapia e terapia ocupacional precoce, a fim de reinserir a pessoa nas atividades do dia a dia.


Déficit sensitivo

Diversas áreas do cérebro estão relacionadas à sensibilidade. Quando há lesão de uma delas, a pessoa deixa de sentir um lado do corpo.


Uma atividade que pode ajudar na recuperação da sensibilidade é expor a área afetada a diferentes materiais, como esponjas, papéis, madeira, lixas ásperas e etc.


Afasia

Quando o AVC ocorre na área do cérebro correspondente à linguagem (broca e wernicke), é comum o paciente sofrer com a afasia. É fundamental o trabalho do fonoaudiólogo.


Ela pode ser dividida basicamente em dois grandes grupos: afasia de expressão (quando o paciente entende o que você fala, mas é incapaz de se expressar pela linguagem falada) e de compreensão (quando ele consegue se expressar de todas as formas, mas não entende o que lhe é dito).


Apraxia

O paciente de AVC com apraxia perde a capacidade de se expressar por gestos e mímicas e de realizar tarefas motoras em sequências.


Por exemplo: a incapacidade de fazer gestos que tenham um significado pré-definido, como o sinal de silêncio, acenar para dar oi ou levantar o polegar em sinal positivo.


Nesses casos o paciente precisa reaprender a fazer esses processos. É necessário ensinar novamente essa sequência de movimentos, que deve ser lembrada e exercitada.


Negligência

Decorrente de lesões no hemisfério cerebral não dominante, que na maioria da população é o lado direito. Essa sequela diz respeito a pessoa que negligencia uma parte ou um lado se seu corpo, como se aquele segmento não pertencesse à pessoa. É fundamental estimular o lado afetado do corpo para reduzir a sequela;


Agnosia visual

Entende-se por agnosia visual a incapacidade da pessoa de reconhecer objetos e pessoas através da visão, apesar de essa não ter sido comprometida. Dependendo do grau da lesão, a pessoa pode inclusive não reconhecer mais rostos.


É importante exercitar esse lado do paciente, apresentando-o para novos objetos, sempre com muita paciência - uma tática é começar por objetos que faziam parte do cotidiano do paciente antes do AVC.


Déficit de memória

Ocorre quando a região temporal do cérebro é afetada. No geral a pessoa perde a capacidade de lembrar eventos recentes, recordando apenas episódios passados.


Lesões no tronco cerebral

No tronco cerebral estão localizados centros responsáveis por atividades vitais, como a respiração. Lesões nesta região podem deixar sequelas graves e até mesmo levar à morte.


Pacientes com esse tipo de sequela podem apresentar também paralisia nos dois lados do corpo, estrabismo e dificuldades para engolir - cada ponto sendo tratado por sua especialidade específica.


Alterações comportamentais

Ocasionados por uma lesão na parte frontal do cérebro, as alterações comportamentais são comuns em vítimas de AVC.


O indivíduo geralmente passa por quadros de agitação e quadro de apatia, passando por sintomas como perda de iniciativa ou explosões de raiva sem causa aparente.


Os cuidadores devem buscar orientação médica, pois em alguns casos pode ser necessário que o paciente seja medicado.


Depressão

A doença funciona exatamente como a depressão comum, porém se inicia após o AVC.


Os sintomas são iguais aos da depressão comum - tristeza, apatia, sono inadequado, transtornos alimentares, entre outros - e pede um tratamento especializado com um psicólogo e com um neurologista ou psiquiatra.


Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT)

É comum em indivíduos com AVC. Sintomas que ajudam a identificar o problema são pesadelos persistentes e tendência do paciente a evitar lembranças do evento.


Prevenção

Muitos fatores de risco contribuem para o aparecimento de um AVC isquêmico. Alguns desses fatores não podem ser modificados, como a idade, a raça, a constituição genética e o sexo.


Outros fatores, entretanto, podem ser diagnosticados e tratados, tais como a hipertensão arterial (pressão alta), a diabetes mellitus, as doenças cardíacas, a enxaqueca, o uso de anticoncepcionais hormonais, a ingestão de bebidas alcoólicas, o fumo, o sedentarismo (falta de atividades físicas) e a obesidade.


A adequação dos hábitos de vida diária é primordial para a prevenção do AVC.


O objetivo do tratamento depois de um AVC envolve, além de tratar as sequelas que surgem, evitar possíveis eventos futuros. Por isso, mudanças no estilo de vida são uma parte importante do acompanhamento do AVC isquêmico.


Veja o que é preciso fazer para impedir um novo derrame:


  • Não fumar ou não permitir que outros fumem perto de você.

  • Manter o peso saudável.

  • Praticar pelo menos 30 minutos de exercícios na maioria dos dias da semana (caminhada é uma boa escolha).

  • Manter uma dieta equilibrada, com menos colesterol, gorduras saturadas, açúcar e sal, conforme orientação profissional.

  • Controlar a pressão (se você for hipertenso).

  • Controlar a glicemia (se você tiver diabetes).

  • Seguir tomando as medicações prescritas pelo médico. Após o AVC isquêmico a grande maioria dos pacientes terão que tomar um antiagregante, medicação que afina o sangue, como a aspirina (AAS).


👩🏽‍⚕ O Proncor é um hospital completo para cuidar de você.

🚨 Pronto Socorro Geral | R. Maracaju, 1.265 - Centro

👨‍⚕ Centro Médico Proncor | Rua Oceano Ártico, 133 - Chácara Cachoeira

🏥 Hospital Proncor | R. Raul Pires Barbosa, 1.800 - Chácara Cachoeira

👉📱 67 3042 3000

ACESSO RÁPIDO:

Pronto Socorro em Campo Grande

Pronto Socorro 24 horas

Único com clínico geral, ortopedista e otorrino de plantão.

Clique e saiba mais.

proncor.png

Você no centro do cuidado

Conheça os projetos e os diferenciais que fazem o Hospital Proncor único. Tudo pensado para a sua comodidade e segurança.

Clique e saiba mais.

consulta.png
Agendar consultas
A especialidade que você precisa, atende no Centro Médico Proncor. Mais de 20 especialidades em um único lugar. Agende agora.
Convênios Atendidos Proncor